Somos da Maré e temos direitos!

04.03.2013

"Na Maré vivem 130 mil pessoas, distribuídas por 16 comunidades. Aqui, vivem mais habitantes que em 80% das cidades brasileiras. Juntos, temos buscado tornar a Maré um lugar melhor para se viver. Ainda falta, todavia, muita coisa. Uma das principais é o respeito, por parte da poílicia, às pessoas e às casas.

Os moradores da Maré têm os mesmos direitos que todos os moradores da cidade. É papel do policial reconhecer e respeitar esses direitos. Afinal, é dever do Estado garantir direito à vida, à liberdade, à igualdade, à circulação, à segurança e à propriedade."

Este texto introduz o folder da campanha "Somos da Maré e temos direitos" distribuído em todas as comunidades da Maré em dezembro de 2012. Uma iniciativa da ONG REDES da Maré, do Observatório de Favelas e da Anistia Internacional, com o apoio das 16 Associações de Moradores do bairro Maré, da ONG Luta pela Paz e dos Agentes Comunitários de Saúde.

O objetivo da campanha foi (e tem sido) orientar os moradores da Maré sobre as questões de segurança pública, a partir da abordagem policial que será feita com a chegada da UPP [Unidade de Polícia Pacificadora] no bairro. Durante a campanha foram distribuídos folders com o passo-a-passo "9 coisas que você precisa saber caso seja abordado na rua e em casa", além dos adesivos (foto acima) que entregamos aos moradores durante a campanha.  

Sabemos que a implantação da UPP somente, não será suficiente para a garantia dos direitos dos habitantes da Maré (e de outras comunidades semelhantes), historicamente marginalizados pelo governo e pela sociedade. Há muito trabalho a ser feito para garantir "a liberdade, não apenas de grupos criminosos armados, mas e, principalmente, da concepção segregadora e preconceituosa que paira sobre os pobres e suas vivências", como coloca a diretora da REDES Eliana Sousa Silva. Essas e outras questões têm sido abordadas por nós, com o intuito de compreender e tentar atuar politicamente, a partir de uma iniciativa onde o único a agir é o Estado através de seu aparato policial. 

Saiba mais: Campanha orienta morador da Maré sobre abordagem policial

As Ruas da Maré

04.03.2013

Foto: Uma das 32 placas em cerâmica produzidas em dez/12.

No final do ano passado iniciamos o projeto piloto de um sonho antigo: produzir as placas de rua do bairro Maré. O lançamento do Guia de Ruas da Maré foi determinante para retormarmos a idéia e colocá-la em ação.

O projeto da ONG REDES da Maré, coordenado pela Azulejaria, prevê um conjunto de ações estratégicas que têm como objetivo mobilizar e incluir os moradores em seu processo de produção.

Em paralelo, as oficinas de Arte sobre Azulejos que ministramos desde 2006 dentro do Programa Criança Petrobras na Maré, tem tido como foco a discussão sobre o bairro e sua relação com a cidade. E agora, com a eminência da chegada da UPP na Maré, nossos alunos já questionam o que vai mudar, como vai mudar e como eles vão atuar nessa "nova etapa”. Os desenhos e as questões levantadas têm sido surpreendentes.

Em breve teremos novidades!



CONSTRUÇÃO E COLAPSO no STUDIO X

17.12.2012

 

STUDIO X
18 DEZ | TER | 19H
CONSTRUÇÃO E COLAPSO
Conversas sobre arte, arquitetura e uma cidade em transformação


A Face do Destruidor

Titãs

O nome do destruidor é
Destruidor
É o nome do destruidor.
O nome do construtor é
O nome
Do construtor.
A face do construtor.
O que ele constrói. 
A obra do construtor.
O destruidor não pode mais destruir
Porque o construtor não constrói.
O construtor não constrói porque
Não pode mais construir. 
A face do destruidor.

Alexandre Vogler e Guga Ferraz em conversa com:
Alberto Silva, Assessor Especial da Presidência da CEDURP
Ephim Shluger, arquiteto consultor em desenvolvimento sustentavel e desenvolvimento urbano
Felipe Scovino, curador da exposição Colapso
Laura Taves, artista e diretora da Azulejaria
Márcio Botner, sócio da Galeria Gentil Carioca
Rogério Daflon, reporter do jornal O Globo
Sydnei Menezes, Presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo
 
Construção e Colapso é uma conversa provocada pelas obras dos artistas visuais Alexandre Vogler e Guga Ferraz para a exposição Colapso, atualmente em cartaz na Galeria Gentil Carioca. Ambas tem forte conotação política e se relacionam com as transformações urbanas em curso no Rio de Janeiro. Nas palavras do curador Felipe Scovino, “evocam o espaço público como um lugar poeticamente expressivo” para “tornar o público mais atento ao seu entorno e em que condições a obra de arte se posiciona politicamente”.

 

foto: Guga Ferraz

 

No STUDIO X 
Praça Tirandentes, 48. Rio de Janeiro

 

O Design da Favela

19.11.2012

O Design da Favela é uma celebração do design que nasce nas comunidades do Rio, onde a falta de recursos estimula a criatividade na busca de soluções para áreas como moradia, trabalho, artesanato, lazer e bem-estar, entre outras necessidades. 

O evento tem curadoria de Ricardo Saint-Clair e Rodrigo Westin e patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro. A criação e a realização são da Dialogo Design em parceria com o Nosso Instituto.

O painel Dom Quixote realizado pelos alunos das nossas oficinas de Arte sobre Azulejo fará parte da exposição.
As oficinas são parte do Programa de Criança Petrobras da ONG Redes da Maré, desde 2006
.  

Visitem a exposição e conheçam trabalhos, projetos e soluções inovadoras de 15 comunidades cariocas, que têm muita coisa boa para mostrar!


O Design da Favela 

Centro Carioca de Design
Praça Tiradentes, 48.

De 22 de novembro a 20 de dezembro.

Fórum e Bienal Mundial da Criatividade | CRIO

19.11.2012

O território está mudando mais rápido que as ideias! As cidades estão vivendo grandes transformações: urbana, territorial, social, econômica, cultural. Daí a importância de trocar, falar, ouvir, ver, experimentar e fazer coisas novas. 

Entre 21 e 25 de Novembro de 2012, o Rio de Janeiro sediará o CRio, primeiro festival internacional de criatividade da América Latina, evento anual que consolida a cidade como plataforma criativa mundial, reunindo pessoas que mudam lugares, ambientes e ideias. Pessoas que contém lugares dentro de si e que mudam o mundo. 

A primeira edição do festival traz eventos internacionais propondo a reflexão sobre o tema "Redesign e Transformação Urbana".

Nós do Atelier Azulejaria vamos participar fazendo parte de um painel cujo o tema é Criatividade e Inovação Social. Estamos super felizes com essa oportunidade!

A programação do evento está muito legal. Quem puder, participe!

 

CRioFestival

AAJ - ART & ARCHITECTURE JOURNAL / PRESS